Lideranças femininas são mais inovadoras e transmitem maior confiança

A pesquisa FIA Employee Experience (FEEx 2021), realizada por um time de especialistas da FIA e baseada na premiação Lugares Incríveis Para Trabalhar, trouxe um novo comparativo entre os perfis de CEOs homens e mulheres, que lideram 120 grandes empresas do país. No total, o levantamento contou com a participação de 112 mil funcionários que avaliaram indicadores de popularidade, confiança, qualidade da gestão, feedbacks e aspectos culturais, como a abertura para inovação, competitividade e relacionamento.

Dentre os destaques da análise de 2021, vale observar que as lideranças femininas são consideradas mais inovadoras, eficientes na gestão e transmitem mais segurança para os colaboradores. Já os CEOs homens foram avaliados como mais orientados para resultados e valorizam os processos internos.

A seguir, confira uma análise detalhada dos principais resultados da pesquisa e um comparativo com os indicadores de 2020.

Popularidade

Um primeiro ponto que merece ser observado envolve o conhecimento dos colaboradores sobre os CEOs. Em 2020, a pesquisa indicou que 80% dos funcionários têm conhecimento do presidente quando ele é homem e 76% quando é uma mulher.

Já na análise deste ano, houve uma mudança significativa: 88% dos funcionários entrevistados afirmaram conhecer seus presidentes quando elas são mulheres e 73% quando são homens. Assim, temos uma diferença respectiva de +12% e -7%, entre 2020 e 2021.

Nível de confiança

Outro ponto em que as mulheres tiveram melhor avaliação foi o nível de confiança que transmitem para os funcionários. Na FEEx 2021, 78% dos colaboradores entrevistados afirmaram confiar totalmente em sua CEO (em 2020, esse número foi de 76%). Já em relação aos CEOs homens, o nível de confiança foi de 69% (-7% em relação ao ano passado).

“Esse dado reflete o ganho de credibilidade que as mulheres estão conquistando no mercado de modo gradativo. Além disso, o indicador se relaciona diretamente com a questão da popularidade entre os CEOs, pois quanto mais um líder for conhecido, maior a chance de elevar sua confiança com o time”, comenta Lina Nakata, professora da FIA Business School e uma das responsáveis pelo desenvolvimento da FIA Employee Experience.

Avaliação da gestão

Quanto à eficiência e qualidade na gestão, os indicadores também apontaram para uma percepção mais positiva sobre as lideranças femininas.

Para 54% dos colaboradores entrevistados em 2021, por exemplo, as CEOs têm uma gestão excelente (ou muito boa, para 32% dos funcionários). Os CEOs, por sua vez, foram considerados excelentes por 42% dos entrevistados, o que indica uma diferença expressiva de 12% em relação às mulheres. O índice se igualou para aqueles que consideram a gestão das lideranças masculinas muito boas (32%).

Em relação a 2020, houve avanço de +7% na avaliação sobre a excelência da gestão feminina. Já entre os homens, queda, com -9% no índice.

Aspectos culturais dos CEOs

A FEEx 2021 comparou ainda os aspectos culturais das lideranças femininas e masculinas.

Entre as mulheres, as características que mais se destacaram foram a abertura para inovação (33%), cultura de relacionamento (18%) e segurança (16%).

Em relação a 2020, estes mesmos aspectos tiveram, respectivamente, os índices de 40%, 10% e 9%. Ou seja: apesar de continuarem sendo vistas como mais inovadoras, esse dado decresceu em -7% em 2021; já os aspectos de relacionamento tiveram importantes avanços de +8% e +7% entre 2020 e 2021.

Nos mesmos quesitos, em 2021, os homens foram vistos como inovadores por 29% dos entrevistados (32% em 2020); bons no relacionamento com as equipes por 15% (13% em 2020) e seguros por 14% dos colaboradores (17% em 2020).

Por outro lado, os CEOs são considerados mais competitivos e orientados para resultados do que as mulheres (22% x 15%, na pesquisa de 2021) e com mais ligação a uma cultura de ordem e processos bem estruturados (7% x 3%).

No comparativo com 2020, tivemos uma inversão em relação ao aspecto da competitividade, já que no ano passado, enquanto os homens foram considerados mais competitivos por 17% dos entrevistados, as mulheres alcançaram índice de 23%.

Sobre o indicador da cultura de ordem, a variação foi mais sutil: +2% para os homens, com as mulheres permanecendo sem variação na casa de 3%.

Feedbacks

Um novo recorte da pesquisa da FIA para 2021 trouxe, por fim, a percepção dos colaboradores sobre os feedbacks que recebem dos seus líderes.

Segundo a pesquisa, as mulheres são mais frequentes na avaliação de seus funcionários (84,8% x 80,0%) e transmitem feedbacks que contribuem mais para o desenvolvimento dos colaboradores (90,8% x 86,9%).

“Todos esses dados demonstram tanto um maior equilíbrio nas avaliações, uma vez que os índices, no geral, não possuem disparidades muito severas; quanto uma visão mais positiva do mercado sobre as lideranças femininas que conquistam cada vez mais reconhecimento. No entanto, é importante ressaltar que ainda há muito espaço para o avanço das CEOs no mercado, já que, das 120 companhias, apenas 7 tinham presidentes mulheres”, encerra Lina Nakata.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.