18 nov 19

5 dicas de Dan Ariley sobre satisfação com o trabalho

O que faz as pessoas se sentirem bem na empresa em que trabalham

Por PopTech – Flickr: Dan Ariely – PopTech 2010 – Camden, Maine, CC BY-SA 2.0, 

 

Dan Ariely é professor de psicologia e economia comportamental do MIT, autor best-seller e palestrante. Ele também produziu um documentário, que pode ser assistido no Netflix, chamado“(Dis)Honesty – The Truth About Lies”. 

A compreensão do comportamento humano em atividades individuais e em grupo tem contribuído muito para melhores tomadas de decisões em RH. Como é fascinante poder entender como funcionamos!

1. Procure oferecer atividades diferentes para a sua equipe: trabalhos repetitivos são frustrantes e causam baixa no rendimento.

2. Dê atenção ao trabalho do seu time: se você não vai conseguir dar atenção a um trabalho, considere se vale o deslocamento de esforço de alguém do seu time para ele. Dar atenção conta muito na motivação do time!

3. Ignorar é quase tão tóxico quanto destruir o trabalho de alguém: não se engane! Ignorar é quase tão ruim quanto destruir o trabalho da pessoa na frente dela. Com isso, você transmite que aquela tarefa não tem importância e acaba desmotivando seu colaborador.

4. As pessoas preferem quando tem sentido: explicar a importância das tarefas delegadas conta muito para o senso de importância que as pessoas criam sobre elas. Procure mostrar aos seus colaboradores onde cada tarefa ajuda o time e quais ponteiros ajuda a mexer.

5. Evite o efeito IKEA: em sua palestra sobre o que nos faz felizes no trabalho, Dan conta o caso das misturas prontas de bolo lançadas pela IKEA na década de 1940. Embora o resultado fosse delicioso, as pessoas simplesmente não compravam e, após alguma investigação, constatou-se que a falta de sucesso estava ligada à extrema facilidade em fazer o bolo. Imagine só: bastava misturar com água e colocar no forno. Como seria possível dizer a uma visita que aquele bolo foi feito em casa? Então, ao retirar os ovos da mistura pronta as vendas decolaram! Agora sim havia um nível de dificuldade mínimo para estabelecer um senso de dono.

Assista ao TED Talk:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *